Delírio

31/08/17

Se soubesse da tormenta, da chuva de balas que estava por passar
Você iria até o fim?
Atravessaria mil noites, e viria até aqui?

Se soubesses
Ah, se eu soubesse
Eu acreditava saber

Me ajude a acreditar, nos momentos em que nem minhas palavras parecem reais
Me ajude a caminhar, mesmo quando a força das pernas se esvai
Eu quero
Não quero
Eu creio
Não creio

Quase tão ruim quanto a loucura da faca
Quase
Quase
Quase pode
Não pode ser pior do que isso, pode?

Ai, e o ar em meus pulmões
Para onde foram os sopros, os suspiros, as inspirações?
Me escapam todos pelos dedos, gritando palavras sem nexo ou juízo

E agora, vou por onde, para onde?

Minhas palavras, agora todas tortas
Deliraram e não têm mais dicionário para onde ir

Delírio